novembro 23, 2011

Agora não há desculpas


11 comentários:

Naná disse...

Já estou inscrita há imenso tempo, mesmo antes do "Carlos Martins"... Há uns dois meses recebi uma carta do Hospital e fiquei a sorrir perante a hipótese de me estarem a chamar para ser mesmo dadora... mas não era.

Mammy disse...

Só tenho pena que estes movimentos solidários apenas apareçam quando vêm figuras públicas apelar...
No entanto, fico contente na mesma, por acontecerem...
Não sei se sabem, mas um dos fundadores do nosso banco de dadores de medula óssea, que é um dos maiores da Europa, senão o maior, foi, nada mais nada menos, que o Duarte Lima!
Aquele Duarte Lima que agora está preso, teve uma leucemia e quem o salvou foi um irmão, mas mesmo assim empenhou-se num banco de dadores de medula! Acho que é de louvar e isto só mostra que apesar de ele estar acusado de uma data de aldrabices e crimes, soube usar o seu mediatismo por uma boa causa!
Atenção: não tenho nada contra ou a favor dele, mas acho que estes exemplos deviam ser seguidos por mais figuras públicas!
Beijinhos

Tanita disse...

Naná,
também espero que um dia me chamem. Bj**

Tanita disse...

Mammy,
sabia que o Duarte Lima tinha tido leucemia mas nunca pensei que ele fosse o fundador. Ao menos que usem sim a imagem para boas causas.
Também tenho pena que só por acontecer a figuras publicas as pessoas se movam e pensem, mas antes isso. Bj**

estrela disse...

Por acaso concordo com a mammy...se fosse um pedinte na rua ninguém ia ligar à noticia....
:(

Tanita disse...

Estrela,
e não há por aí tantos pedidos de pessoas anónimas? mas ao menos assim pode ser que as pessoas fiquem mais atentas e percebam que pode acontecer a qualquer um.
Bj**

Tânia (Mamã do Santiago) disse...

A maior dadiva de alguem é ser chamado!

Mas enfim as agulhas metem medo? E para as tatuagens ja n tem medo?

Tanita disse...

Tânia,
é verdade as tatuagens. Isso é que eu não sou capaz de fazer!

Nokas disse...

Eu estou inscrita há uns anos, acho que seria muito bom poder ajudar alguém!

Anita disse...

ja ha varios anos que queria ser dadora, mas confesso que tive sempre algum receio de o ser, de ser chamada, é que o processo não e muito facil, depois de sermos compativeis com alguém, entao fui sempre adiando, mas depois da pimpolha nascer não adiei mais e lá fui eu, com tantos casos que via de bebes e crianças, tive mesmo que o fazer, e espero conseguir ajudar alguém.

a minha pimpolha ca esta, a aguentar-se, a ficar paradinha, acho que ela ja percebeu que nao pode andar, e entao tem colaborado, ate se esta a portar bem. obrigada e beijinhos

Andreia disse...

Não é bem assim! Desde que se começou a falar no banco de dadores de medula, muitas pessoas têm-se inscrito. No início havia o receio porque se pensava que era um processo muito difícil e no início era. À medida que as pessoas se foram inscrevendo foi existindo mais divulgação. Assim como ser dador de sangue. Cada vez há mais, até porque cada vez nos chega mais notícias de pessoas familiares e amigas de todas as idades, credos e religiões doentes com cancro. Com o facebook cada vez existem mais grupos e divulgação de pessoas que precisam de fazer transplantes de medula. Pelo que pesquisei, existem brigadas mas não muitas. Por exemplo, as pessoas de Leiria têm de se deslocar a Coimbra se quiserem ser dadoras ou ligar a perguntar se e quando há uma brigada em Leiria.
Em relação ao Carlos Martins foi uma onda de solidariedade maior porque foi noticiado e sim porque é uma figura pública mas que sirva para ajudar muitos mais (infelizmente).